PDFImpressão

Os Artilheiros da Birmânia

Os portugueses, que dispunham de capacidades náuticas de elevada qualidade, percorreram oceanos e mares nunca antes cartografados e abriram as rotas marítimas para a Ásia. Uma frota de navios portugueses fez-se ao mar em Goa, Índia, rumo à exótica Birmânia, em busca de oportunidades comerciais.
No entanto, as suas armas formidáveis, os mosquetes e canhões, impressionaram de tal forma os reis da Birmânia que se deu início a um relacionamento que durou mais de um século. Anos mais tarde, já na qualidade de mercenários regiamente pagos, envolveram-se nas lutas internas dos reis birmaneses e de um território dividido por etnias em cidades-estado.
Paulo Seixas, incumbido de treinar o exército Mon no manejo das novas armas, apaixona-se por Ziwa, uma bela princesa Mon.
Luísa foi detida juntamente com centenas de portugueses pelo rei Anaukphetlun, que tinha mandado matar seu marido Filipe no rescaldo do cerco de Sirião. No decurso de uma marcha forçada de 500 quilómetros até Ava, Luísa luta por justiça e por liberdade para se instalarem num pedaço de terra verdadeiramente seu - o Vale dos Dois Rios.
Este livro "Os artilheiros da Birmânia" consegue captar o espírito indomável desses portugueses através da história da vida de dois dos mais notáveis desses personagens. Ambos conseguem vencer inúmeras adversidades, tendo passado a fazer parte da história da Birmânia, um episódio praticamente desconhecido tanto dos birmaneses contemporâneos como do resto do mundo.
Preço VendaMOP250,00